HIRAM’S, o Restaurante no Fim Do Universo Maçônico

Tradução José Filardo

Por Stephen Dafoe

 

O texto é a tradução da trilha sonora

Então, existe esta cadeia de restaurantes com estabelecimentos por toda a América do Norte. Seu slogan é um muito atraente e administração da cadeia o utiliza diariamente para motivar a equipe e recrutar novos clientes para os milhares de estabelecimentos da rede.

O slogan é “pegamos boa comida e a tornamos melhor” – sete palavras simples, que fazem soar uma corda emocional em milhões de pessoas que gostam de comer.

Não há gênio de marketing por trás do slogan ou do sucesso do mesmo em atrair as pessoas para a cadeia de restaurantes. Todo mundo gosta de boa comida, por isso é improvável que haja uma pessoa viva que não goste de comida boa feita melhor. Quem poderia resistir a tal slogan?

Infelizmente, a cadeia de restaurantes raramente faz jus ao seu próprio slogan. Os restaurantes muitas vezes são mal decorados – suas mesas e cadeiras bambas e precisando de reparo. Os funcionários muitas vezes brigam uns com os outros e a gerência, muitas vezes, parecem apenas estar preocupada com escalar a escada corporativa até o cargo de diretor. A comida, muito falada é no máximo insossa a na pior das hipóteses, terrível.

Ainda assim novos clientes entram pela primeira vez para provar esta “boa comida feita melhor”; ele vê um grupo de rostos sorridentes, todos lambendo a refeição como se fosse a melhor comida do planeta – exatamente como as pessoas das publicidades disseram que era.

O novo cliente faz o melhor de si para comer a sua refeição embora a comida oferecida não agrade ao paladar tão docemente quanto as palavras usadas para descrevê-la. Não querendo mostrar o seu desagrado aos seus dois amigos que o patrocinaram – pois este é, afinal, um restaurante exclusivo – ele se senta em silêncio comendo sua refeição com cada bocado tão forçado quanto o sorriso em seu rosto.

Às vezes, o cliente simplesmente paga a sua conta, sai do restaurante e promete nunca mais voltar ao estabelecimento. Entretanto, por vezes, o cliente decide que talvez ele tenha passado por uma noite ruim – talvez a equipe estivesse tendo um dia ruim, porque o cozinheiro regular estava fora. Talvez aquelas pessoas que estavam comendo estavam apenas sendo gentis e não queriam ofender o novo cozinheiro.

Ele decide dar ao lugar de “boa comida feita melhor” mais uma oportunidade.

Retornando em outra noite, ele vê os mesmo clientes que estavam lá no mês anterior – eles ainda estão discutindo sobre o qual garfo você deve usar para a salada e a maneira correta de segurar um copo de vinho. O gerente ainda está ignorando os novos clientes em favor de figurões da empresa sentados em volta de uma mesa no fundo, a quem ele está tentando convencer de sua adequação para uma posição mais proeminente na empresa.

O que é pior – a comida ainda é insossa, chata e não é o que a placa na porta proclama – ainda assim os frequentadores ainda estão lambendo-a como se fosse sua última refeição.

Desta vez, o cliente decide que o slogan de marketing não é nada mais do que sete palavras simples inteligentemente organizadas para privá-lo de seu dinheirinho arduamente ganho.

O pensamento lhe ocorre de que talvez ele pudesse chamar o gerente de lado, longe das rodas corporativas por tempo suficiente para sugerir algumas coisas pequenas que poderiam realmente fazer a boa comida melhor. No entanto, ele tem a sensação de que lhe seria dito, “mas nós sempre cozinhamos assim antes” ou “nós tentamos isso uma vez e os clientes não gostaram.” Ele sente que lhe pode até mesmo ser dito que “a matriz nunca iria permitir isso.”

Então, ao invés de expressar suas preocupações, exercendo o axioma antigo dos negócios de que o cliente tem sempre razão, ele nada diz. Ao invés disso, ele sai do restaurante e promete nunca mais voltar – seja cancelando suas reservas pré-agendadas a caminho da porta, ou nunca mais voltando e ter sua filiação cancelada pela cadeia através de uma carta desagradável.

Ele se pergunta como o restaurante sobrevive e por que as dúzias de mesmos comensais parecem gostar tanto da comida.

Sua conclusão é simples – eles gostam de coisas do jeito que são e o estabelecimento nunca as vai mudar, enquanto a cadeia for administrada por pessoas que gostam de fazer comida sem graça e frequentado por pessoas que gostam de comer a mesma.

E assim chegamos a um problema que é predominante na Maçonaria hoje.

Nós nos anunciamos como uma organização que torna os homens melhores, e embora isso seja exatamente o que temos feito para milhões de homens ao longo dos séculos, não se pode afirmar que estamos decepcionando muitos jovens que entram em nossas portas, que se sentem enganados e decepcionados.

“Eu realmente sinto que me venderam um monte de mentiras”, escreveu um jovem maçom recentemente em um fórum de discussão na Internet.

Como é triste que um jovem, que tem sido maçom por um ano sinta que uma organização que tem a verdade como um de seus três maiores atributos lhe tenha mentido.

“Esta não é a Maçonaria para a qual eu me inscrevi”, continuou ele em sua postagem e ao dizer isso, ele chega ao cerne de nosso problema.

A Maçonaria em grandes partes dos Estados Unidos e do Canadá não está oferecendo o está anunciando, mas se ela anunciasse o que é oferecido – ela receber muitos novos candidatos.

“Maçonaria – tomamos homens bons e os fazemos sentar em uma sala e ouvir a leitura de atas e debates de 45 minutos sobre o gasto de US $ 50 em por que devemos ou não comprar uma placa para mostrar como nós somos grandes.”

Isso simplesmente não tem a mesma força de marketing que “Maçonaria – tomamos homens bons e os tornamos melhores.”

Infelizmente, nossos jovens irmãos, passados e presentes tentaram melhorar o que a Maçonaria oferece dentro dos recessos quadriculados de nossas lojas, mas encontraram resistência a cada passo do caminho.

Dizemos que estamos quase tornando os homens melhores através do autoaperfeiçoamento – mesmo assim, poucas são as lojas que aplicam as ferramentas de trabalho dentro do corpo da loja para educar os nossos jovens membros a respeito de como fazer isso.

O Centro de Informações Maçônicas (CIM) lançou recentemente uma publicação intitulada “É chegada a hora”. A publicação identifica os problemas atualmente enfrentados pela identidade maçônica e oferece soluções sólidas para o mesmo.

Uma das declarações mais poderosas do documento, na página 17, é a seguinte:

“O Esquadro e Compasso, o símbolo mais conhecido de um maçom não pode substituir a identidade de viver a vida de um maçom, que é em si perpetuamente estar em um estado de aperfeiçoamento de si mesmo em corpo, mente e espírito. O imaginário maçônico é um recurso valioso quando ele nos inspira a tomar novas ações consistentes com o nosso crescimento pessoal e pensamento esclarecido. Temos que descobrir a nossa própria vocação maçônica, o nosso próprio lugar na história da Maçonaria, tornando o desempenho maçônico autêntico a nossa maior prioridade”.

No entanto, temos permitido que, como o MIC destaca na publicação, a Maçonaria seja moldada pela ênfase do século 20 sobre o ritual maçônico ser a conclusão da educação dos maçons sobre sua fraternidade.

Da mesma forma que a analogia da cadeia de restaurantes, pouca coisa muda na forma como as lojas maçônicas dão aulas porque a mesma dezena de clientes senta-se em seus assentos e executa o programa.

Esses homens, como os clientes do restaurante em nossa analogia, voltam mês após mês e ano após ano, porque eles gostam da comida sem graça – uma refeição que é em grande parte composta de leitura de atas, debates tediosos sobre como os recursos são distribuídos e discussões sobre quando e como saudar o Venerável Mestre.

E quando um jovem, iniciado, elevado e exaltado abandona a loja porque ele acha a refeição insossa, ele é visto como um cliente insatisfeito, e que o restaurante está melhor sem ele.

A receita de Maçonaria é tão sólida hoje como era há 300 anos – é a cozinha presente de cozinheiros teimosos que precisam ser postos para fora.

Fonte:   Knights of the North Masonic Dictionary

 Publicado originalmente em: http://www.masonicdictionary.com/value.html

Publicado on dezembro 10, 2012 at 9:48 am  Comments (3)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/2555-2/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. A Maçonaria é uma escola a moda antiga, na época em que não existia nem caderno para escrever , sendo assim o modo de ensino era entre outros o teatro, o resto é consequencia, restaurantes, etc. Quem entende que é um lugar de convivencia está quase completamente errado. É um lugar para se aprender a conduzir uma cidade, país, etc.

  2. […] HIRAM’S, o Restaurante no Fim Do Universo Maçônico […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: