REAA – Por que trinta e três?

POR QUE TRINTA E TRÊS?

Por Ir.´. S. BRENT MORRIS 33° G.C.
Tradução José Antonio de Souza Filardo, M .´. I .´.

Houve grande entusiasmo sobre a criação da Sociedade de Pesquisas do Rito Escocês, mas a questão foi levantada muitas vezes, “há temas realmente suficientes para pesquisa no Rito Escocês?” É certo que existem dificuldades, se olharmos para as origens mais remotas do Rito na França, pois os materiais primários de pesquisa estão em outro país do outro lado de um oceano. Além disso, é intimidador olhar para os escritos sobre o Rito por mestres eruditos como Baynard, Carter, Harris, Jackson, ou Lobinger. É fácil imaginar quão pouco resta para ser feito, a não ser ocasionalmente admirar seus esforços esplêndidos.

Nada poderia estar mais longe da verdade! Existem dezenas de questões interessantes, estimulantes e importantes sobre o Rito Escocês que nunca foram abordadas. Alguns exigem acesso a materiais de pesquisa especializados, mas muitos estão ao alcance de qualquer estudante interessado. Para estimular a pesquisa nesta área pouco estudada, várias questões se colocam sobre o Rito Escocês Antigo e Aceito de Maçonaria. Nenhuma reivindicação é feita que essas perguntas nunca foram respondidas, apenas que um novo exame seria bem acolhido.

CHAPÉUS, ANÉIS e OUTRAS COISAS

Em 1797, quatro anos antes da criação do Supremo Conselho-Mãe, Thomas Smith Webb publicou seu livro de referência, Monitor do Maçom ou Ilustrações de Maçonaria. Seu livro foi um resumo das Ilustrações da Maçonaria de William Preston de 1772, dispostos de acordo com o ambiente maçônico americano. O trabalho de Webb lançou as bases do que é considerado Ritual Maçônico americano “padrão”. Seu trabalho com o ritual foi expandido por Jeremy Ladd Cross, John Barney, e outros conferencistas maçônicos itinerantes do século XVIII.

Na primeira edição do Monitor do Maçom, havia uma seção “contendo um relato dos Inefáveis Graus da Maçonaria”, aqueles conferidos por Lojas de Perfeição. Esses corpos foram estabelecidos sob o “Rito de Perfeição de Stephen Morin. “A descrição de Webb do Grau de Perfeição, ou Grande Maçom, Maçom Eleito, Maçom Perfeito e Sublime Maçom explica que” [as] joias pertencentes a este grau [incluem]. um anel de ouro com este lema, ‘A virtude une o que a Morte não pode separar’.” [I] Uma rápida verificação de alguns dos mais antigos rituais manuscritos nos Arquivos do Supremo Conselho Mãe, incluindo o “Manuscrito Francken”, a versão inglesa mais antiga dos Graus do Rito Escocês, mostra que um anel de ouro com este lema tem sempre sido dado a quem recebe o Grau de Perfeição. Várias questões se apresentam de imediato.

1. Há quanto tempo um anel de ouro tem estado associado ao grau 14?

A evidência que acaba de ser citada dá uma resposta de pelo menos 200 anos, só nos Estados Unidos. Se os anéis do grau 14 vêm sendo entregues há dois séculos, então deve haver um anela mais antigo escondido em algum museu maçônico.

2. Onde está o mais antigo exemplo de um anel do grau 14?

O Grau 14 não é o único Grau do Rito Escocês, com um anel diferenciado. O anel do grau 33 é imediatamente reconhecido como um sinal de grande realização maçônica. No entanto, não parece haver referências escritas antigas sobre o anel deste Grau.

3. Quando um anel diferenciado tornou-se associado ao grau 33, e onde está o exemplo mais antigo de um anel do grau 33?

Outro item distintivo da joalheria associado ao Rito Escocês é o “Grande Insígnia da Ordem” ou joia do Grau Trinta e Três. Embora isso seja descrito no Apêndice das Constituições de 1786, ela não aparece em qualquer lugar nas Constituições de 1762. [ii] Provavelmente, ele foi criado ou adotado a partir de algum outro sistema durante o período de vinte quatro anos de 1762 a 1786.

4. Onde foi a joia do grau 33 descrita pela primeira vez, e quanto ela passou a ser de uso geral?

Qualquer um que assista a uma reunião do Rito Escocês pela primeira vez, especialmente na Jurisdição do Sul dos Estados Unidos, é rapidamente chocado pelos chapéus distintivos usados ​​ou nossos membros indicando seu grau. Embora seu uso seja agora a norma, chapéus são uma adição relativamente recente aos adornos do rito.

5. Qual é a história dos chapéus no Rito Escocês?

Quem desenhou os chapéus? Quando eles foram introduzidos? Eles têm o mesmo esquema de cores que sempre foi utilizado? Os chapéus substituem alguma outra insígnia? A introdução de chapéus foi bem recebida por todos os Vales?

INFORMAÇÃO ADICIONAL

Nem todas as informações sobre a Maçonaria Simbólica estão disponíveis a partir de registros ou evidências diretas; muitas vezes é necessário recorrer a fontes secundárias. A descrição dos Graus Inefáveis ​​no Monitor do Maçom de Webb é um exemplo de informações secundárias.

Não se sabe onde Webb obteve o material desses onze graus. Apesar de uma Loja de Perfeição ter sido criada em Albany em 1767, ele estava adormecido durante os anos em que Webb viveu naquela cidade, e parece certo que ele não se filiou à Loja. Ele pode ter recebido os dados do monitor de algum Maçom de Albany que tinha sido um membro da loja e tinha a posse dos rituais; ou Webb pode ter recolhido os dados em uma de suas visitas a Boston ou Filadélfia. [iii]

Embora não saibamos onde Webb recebeu suas informações sobre os Graus Inefáveis, o próprio fato de que os Graus são mencionados nos dá uma percepção dos precursores do Rito Escocês. Foram os Graus Inefáveis ​​tão populares que as descrições em seu Monitor foram acolhidas com entusiasmo, ou Webb incluiu as informações para provocar seus leitores e aumentar suas vendas?

6. Onde Thomas Smith Webb obteve as informações sobre os Graus Inefáveis ​​para seu Monitor do Maçom de 1797?

Webb era um amigo da Maçonaria, e suas descrições dos Graus Inefáveis eram na pior das hipóteses concebidas como um chamariz de vendas. Nem todos os autores são tão benignos. Revelações de rituais maçônicos eram livros populares durante séculos, e eles, às vezes, são a única percepção da evolução dos Rituais e cerimônias maçônicas. A primeira revelação de rituais que envolveu Graus do Rito Escocês foi publicada em 1766 por um Sr. Bérage, Les Plus Secrets Mystères des Hauts Grades de la Maçonnerie Dévoilés [Os mistérios mais secretos dos Altos Graus da Maçonaria Revelados]. Esta revelação foi um sucesso estrondoso de público, não só porque ela revelou os “mais secretos mistérios”, mas também porque o livro foi proibido pelo governo francês. [iv] Seu estudo deve proporcionar o mesmo entendimento para Rituais do Rito Escocês quanto Três Distintas Batidas e Jakin e Boaz oferecem para o ritual da maçonaria simbólica.

7. O que Les Plus Secrets Mystères de Berage em 1766 nos diz sobre a evolução dos Graus do Rito Escocês?

A França não era a única fonte de revelações de rituais de altos graus. Muitos foram publicados durante o período antimaçônico americano, incluindo um dos mais notórios, Luz sobre a Maçonaria, publicado em 1829 por Elder David Bernard. Este livro alega oferecer os rituais da Maçonaria Simbólica, York, graus do Rito Escocês mais outros dez “Graus franceses”. Elder Bernard parece ter recorrido pesadamente a Bérage, pois os rituais de muitos de seus “Graus independentes” são muito semelhantes. Bernard pode ter traduzido dos Les Plus Secrets Mystères, ou ele pode ter revelado as cerimônias de alguns maçons que, por sua vez, haviam traduzido Bérage. Se forem precisos, os Rituais do Rito Escocês em A Luz sobre a Maçonaria de Bernard, publicado apenas 28 anos após a constituição do Supremo Conselho Mãe, ele nos dá uma imagem única de nossas primeiras cerimônias. Mas, os Rituais do Rito Escocês em Luz sobre a Maçonaria diferem significativamente das práticas conhecidas da Jurisdição do Sul dos Estados Unidos. Eles poderiam ser os primeiros rituais da Jurisdição Maçônica do Norte ou rituais do Supremo Conselho de Cerneau ou, ainda, de alguma fonte não reconhecida.

8. Qual é a fonte dos “Graus” em Luz sobre a Maçonaria de Bernard?

REUNIÕES

O Rito Escocês na América desenvolveu um método distinto de conferir os graus nas reuniões periódicas de nossos Vales. As Constituições de 1762 exigem o prazo deliberado (e, obviamente, simbólico) de 81 meses entre o grau 1 e o grau 25. Assim, a atribuição rápida de graus em uma Reunião é uma falha diante pelo menos dos prazos simbólicos, se não da prática efetiva do Rito Escocês.

9. Quando e onde se originaram as reuniões do Rito Escocês?

A Maçonaria enquanto sociedade venera a tradição, mesmo diante do bom senso. Assim, é difícil imaginar que um conceito tão radical quanto uma reunião fosse facilmente aprovado.

10. Qual a rapidez com que foi aceita a ideia de uma Reunião?

Outra característica distintiva dos graus do Rito Escocês americano é a sua encenação e figurinos elaborados, preparados além dos sonhos de nossos fundadores. O Professor Lance Brockman da Universidade de Minnesota, Twin Cities, preparou um estudo dos conjuntos de fases pertencentes aos diferentes Vales do Rito Escocês. Em muitos casos, nossos Vales preservaram involuntariamente maravilhosos exemplos de arte teatral, que se pensava terem sido perdidos.

11. Quando e onde a encenação elaborada começou a ser utilizadas para graus do Rito Escocês?

COSTUMES DO RITO ESCOCÊS

As Constituições de 1762 exigem que os Príncipes de Jerusalém comemorem dois dias festivos: 20 de novembro, quando seus ancestrais fizeram a sua entrada em Jerusalém e 23 de fevereiro, para celebrar a reconstrução do Templo. Os Cavaleiros do Oriente celebram a reconstrução do Templo e os equinócios, 22 de março e 22 de setembro. Os Maçons Grandes Eleitos Perfeitos celebram a dedicação do primeiro Templo em 05 de julho. As Constituições de 1786 exigem dois festivais: “um no primeiro dia de Outubro, quando nossa propriedade foi sequestrada e entregue aos Cavaleiros de Malta, e o outro em 27 de Dezembro, dia de São João Evangelista.” Todos estes festivais parece estar perdidos para a tradição moderna do Rito Escocês, embora possam ter sido apreciados pelos nossos primeiros irmãos.

12. Existe alguma evidência de que esses festivais jamais foram celebrados?

A cerimônia de Quinta-feira Santa de nossos Capítulos da Rosa Cruz é o mais amplamente celebrado dos eventos do Rito Escocês hoje, embora ela nem mesmo seja mencionada nas Constituições Secretas de 1761, nas Constituições de 1762, nem as Constituições de 1786.

13. Qual é a história da observância da Quinta-Feira Santa pelo Rito Escocês?

Quando ela veio para substituir as festas antigamente obrigatórias? Essa mudança ocorreu primeiro na Europa ou na América?

14. Quando foi celebrada a primeira Quinta-feira Santa nos Estados Unidos?

Intimamente associada ao Grau Rose Croix na Jurisdição do Sul está o “Sinal do Bom Pastor”, ou a atitude de oração do Rito Escocês. O frontispício da Les Plus Segredos Mystères (reproduzido na página) mostra um templo com um pastor vestido nos degraus, segurando um cordeiro e fazendo o sinal do Bom Pastor. Isso pode ter sido a primeira vez que este sinal foi ligado à Maçonaria.

15. Quando foi o “Sinal do Bom Pastor” adotado na Jurisdição do Sul como a “atitude de oração do Rito Escocês”?

Nos últimos anos, a Festa de Tishri tornou-se uma festa popular da Jurisdição do Sul, e ela, como a Quinta-Feira Santa não é mencionada em nossos documentos de fundação, certamente não como uma obrigação do Eleito Perfeito.

16. Qual é a história da Festa de Tishri?

Além de seus anéis distintivos os maçons do grau 33 podem ser reconhecidos pelo uso de uma cruz patriarcal, seja sobre seus chapéus ou após a sua assinatura. Os Soberanos Grandes Inspetores Gerais usam uma cruz patriarcal com pequenas cruzes enquanto o Soberano Grande Comendador usa uma cruz dupla. Estes símbolos privilegiados não foram descritas em qualquer uma das nossas Constituições fundadoras nem utilizadas pelos pioneiros do Rito Escocês, como Morin ou De La Motta ou Francken.

17. Quando foram as cruzes distintas adotadas para indicar um grau do Maçom do Rito Escocês?

MAÇONARIA DE RITO ESCOCÊS CLANDESTINA

Um dos principais objetivos dos fundadores de nosso Supremo Conselho – Mãe foi trazer ordem ao caos nos graus elevados. Embora hoje em dia tudo pareça ordenado e calmo, a viagem até nosso estado atual de prosperidade não foi fácil. A estrada está repleta literalmente de dezenas de Supremos Conselhos fracassados. Alguns surgiram de dissidências, algumas de autoridade ilegítima, alguns da cobiça, e alguns por despeito. Havia Conselhos Superiores, que alegavam jurisdição sobre apenas um único estado, por exemplo, Nova York, Connecticut, Califórnia e Louisiana. O Rito Antigo e Primitivo de Memphis originalmente controlava alguma coisa como 91 a 97 graus. Mais tarde, eles reduziram seus graus para trinta e três e reformaram-se em um Supremo Conselho. Histórias desse tipo são quase infinitas.

18. Quantos Supremos Conselhos existiram nos Estados Unidos?

O mais persistente movimento clandestino de Rito Escocês foi aquele iniciado por Joseph Cerneau em Nova York em 1807. Cerneau tinha autoridade legítima para trabalhar o Rito de Perfeição de Morin com vinte e cinco graus, mas somente para a parte norte de Cuba. Mas, Cerneau excedeu sua autoridade quando reivindicou o controle sobre trinta e três graus, provavelmente para melhor lhe permitir competir com o Rito Escocês. Seu Supremo Conselho e seus muitos descendentes e filhotes e ressurreições atormentaram a legítima Maçonaria do Rito Escocês até o início do século XX e se espalharam pelo nordeste e centro-oeste americano. O Conselho Supremo de Cerneau incorporou-se ao Supremo Conselho do Norte em 1867. A paz prevaleceu por alguns anos, mas em 1881 o Supremo Conselho de Cerneau foi reativado e novamente se espalhou com grande energia.

19. Por que o “Cerneauismo” era tão persistente?

O movimento de Cerneau tornou-se a bête noir para Albert Pike. Ele lutou com o Cerneaus durante os primeiros anos do seu mandato como Grão-Comandante e foi responsável pela fusão final em 1867. Então, em 1881, quando os Cerneaus mais uma vez se levantaram, Pike se opôs a eles com um zelo e fúria surpreendentes. Seus ataques ao Supremo Conselho Cerneau pareciam ir bem além do que era necessário para derrubar um arrivista desafiador.

20. Por que Albert Pike foi tão inflexível em sua oposição ao Cerneauismo?

Nos arquivos do Supremo Conselho Mãe há um livro encadernado em couro preto preparado por Albert Pike e marcado Livro da Infâmia. O livro, citado na história do Conselho Supremo, de Carter, no vol. III, relaciona os nomes de várias dezenas de membros do Supremo Conselho Mãe que passaram para o Supremo Conselho Cerneau após 1881. A introdução de uma seção de nomes é particularmente intrigante: Perjuros, Apóstatas e Renegados na cidade de Baltimore, que, desleais e rebeldes, porque não lhes foi permitido limitar o Rito Escocês A. e A. em Maryland aos Cav. Templários, coroaram-se com desonra e infâmia por covardia e deserção vergonhosa para o Cerneauismo, Abril de 1884

21. Qual é a história desses “Perjuros, Apóstatas e Renegados na cidade de Baltimore”?

O primeiro nome da lista de Baltimore é o de Fernando James Samuel Gorgas, um distinto médico e dentista que tinha sido graduado no grau 33 conjuntamente pelos Grandes Comandantes das Jurisdições do Norte e do sul. Hoje, a sociedade de honra da Faculdade de Odontologia da Universidade de Maryland traz o nome do Dr. Gorgas. Ele renunciou à Jurisdição Sul e, eventualmente, tornou-se o Grande Comandante de um dos dois Supremos Conselhos Cerneau que existiam naquela época. O que poderia ter influenciado tal distinto Mason, médico, dentista, estudioso e se voltar para o Cerneauismo?

22. Qual é a história de Ferdinand James Samuel Gorgas?

HISTÓRIA DO RITO ESCOCÊS

Os altos graus apareceram pela primeira vez nos Estados Unidos nas Lojas de Perfeição pelo menos nas cidades de Albany, Baltimore, Filadélfia e Charleston. Eles quase certamente não retiraram seus membros dentre Maçons ‘comuns’ dessas cidades. Além disso, Maçons com esses exóticos “altos graus”, em muitos casos alegando prerrogativas extraordinárias para si mesmos, devem ter causado alguma polêmica entre os seus Irmãos.

23. Quem entrava e era ativo nas primeiras Lojas de Perfeição?

24. Como os primeiros Maçons do Rito Escocês interagiam com outros maçons e com a Grande Loja?

Durante a primeira expansão do Rito Escocês, alguns estados tinham Grandes Consistórios que funcionavam com os Soberanos Grandes Inspetores Gerais para controlar o Rito Escocês daquele Estado.

O último Grande Consistório foi no estado de Kentucky, mas ele e todos os outros foram eliminados.

25. Como funcionavam os Grandes Consistórios nos estados e que levou à sua eliminação?

Na virada do século, o Rito Escocês representava menos de 4% dos Mestres Maçons dos Estados Unidos, ao passo que hoje respondem por cerca de 33%. As lições de moral e grau de ostentação do Rito de York é igual ao do Rito Escocês, e ainda assim o Rito Escocês cresceu em importância e força a uma taxa surpreendente que foi muito mais rápida do que a do Rito de York.

26. O que causou o crescimento explosivo da Maçonaria do Rito Escocês, na virada do século?

Quando o Rito Escocês foi criado em Charleston, em 1801, os Príncipes de Jerusalém tinham uma posição de especial importância e prestígio. Na verdade, não havia Conselho de Kadosh, grau 19 ao 30 como encontrados na Jurisdição do Sul, mas sim um Conselho de Príncipes de Jerusalém, grau 15 ao 16, entre a Loja de Perfeição, do grau 4 ao 14, e os Capítulos da Rosa Cruz, do grau 17 ao 18.

27. O que levou à desativação do Conselhos de Príncipes de Jerusalém e à criação dos Conselhos de Kadosh na Jurisdição do Sul?

O Rito Escocês tal como o conhecemos hoje, é essencialmente o resultado de esforços de evangelização de Stephen Morin. Os Inspetores-adjuntos Gerais que ele nomeou eram muitas vezes ineficazes e por vezes sem escrúpulos em suas atividades. Eles foram responsáveis, no entanto, pelo estabelecimento da Maçonaria do Rito Escocês. Um estudo profundo das atividades e vidas destes Inspetores-Gerais Adjuntos deve fornecer uma imagem detalhada de um embrião do Rito Escocês.

28. Quem Stephen Morin nomeou como Inspetores-Gerais Adjuntos e quais foram seus motivos?

29. Quais foram as realizações, se houve alguma, destes inspetores-gerais adjuntos?

Durante os últimos anos de sua vida, Albert Pike fez uma longa viagem pelo ocidente em que ele estabeleceu muitos Vales do Rito Escocês. A viagem foi de barco a vapor, a cavalo e de trem pela selva, e imensidões incivilizadas. Por um lado, a viagem foi um monumento de resistência humana, e no outro, ela estabeleceu a estrutura do Rito Escocês da Maçonaria no oeste dos Estados Unidos.

30. Qual é a história completa e os resultados da viagem de Albert Pike ao Oeste?

Albert Pike é mais lembrado como um ritualista e escritor. Havia mais de suas realizações, no entanto. Ele assumiu o comando da Jurisdição do Sul quando ela era pequena, mal organizada, e quase quebrada. Por ocasião de sua morte, a Jurisdição do Sul era governada de forma eficiente e bem no seu caminho de se tornar uma das mais influentes organizações maçônicas no mundo atual.

31. Quais mudanças administrativas fez Albert Pike no governo de Jurisdição do Sul?

As cartas constitutivas emitidas por Stephen Morin das Índias Ocidentais indicavam que os Inspetores-Gerais Adjuntos controlavam não apenas os 25 graus do seu Rito, mas também outros dezenove “graus laterais”. Há alguma evidência de que os Graus Crípticos de Mestre Real e Mestre Seleto podem ter vindo desta fonte. Outros graus parecem ter existido somente como títulos.

32. O que aconteceu aos graus “laterais” dos Inspetores-gerais Adjuntos?

O “Rito de Perfeição” de 25 graus foi reorganizado dentro do Rito Escocês, com a adição de oito graus, alguns dos quais podem ter sido originalmente graus “laterais”. Tem havido muitas especulações a respeito dos motivos pelos quais o rito optou por ter trinta e três graus. Foi porque Jesus viveu 33 anos? Era “33” uma evolução natural a partir de 3.´. 3.´., tomado do costume francês de abreviar palavras maçônicas? (Por exemplo, Irmão seria escrito como B.´. e Irmãos como B.´. B.´.) Trinta e dois poderiam ser um símbolo das dez Sephiroth da Cabala, e os 22 letras do alfabeto hebraico, e trinta e três podem ser visto como presidindo esta união mística. As especulações são virtualmente infinitas, mas ainda nenhuma resposta foi dada a esta pergunta básica sobre Maçonaria do Rito Escocês.

33. Por que há trinta e três graus no Rito Escocês?

AGRADECIMENTOS

Na preparação deste trabalho confiei nos conselhos e sugestões de muitos Irmãos. Em particular, estou grato pela ajuda dos irmãos Duane Anderson, 33º, David B. Board, 32º, William Fox, 33° e Rex Hutchens 33°.

REFERÊNCIAS

Baynard, Samuel H. Jr. History of the Supreme Council, 33°. 2 vols. Boston: Supreme Council, 33°, N. M. J. , 1938.

Bernard, David. Light on Masonry. Utica, N. Y. : William Williams, Printer, 1829.

Carter, James D. History of the Supreme Council, 33°, (Mother Council of the World) Ancient and Accepted Scottish Rite of Freemasonry, Southern Jurisdiction, U. S. A. , 1861–1891. Washington, D. C. : Supreme Council, 33°, 1967.

————. History of the Supreme Council, 33°, (Mother Council of the World) Ancient and Accepted Scottish Rite of Freemasonry, Southern Jurisdiction, U. S. A. , 1891–1901. Washington, D. C. : Supreme Council, 33°, 1971.

Francken, Henry A. Manuscript Rituals and Regulations. [1770]. Typescript. Archives, Supreme Council, 33°, S. J. , Washington, D. C.

Harris, Ray Baker. History of the Supreme Council, 33°, (Mother Council of the World) Ancient and Accepted Scottish Rite of Freemasonry, Southern Jurisdiction, U. S. A. , 1801–1861. Washington, D. C. : Supreme Council, 33°, 1964.

Jackson, A. C. F. Rose Croix: A History of the Ancient and Accepted Rite for England and Wales. Rev. and enlarged ed. Shepperton, England: Lewis Masonic, 1987.

Katz, Phillip M. Freemasonry Under the Cloak: A Masonic Text of the Old Regime. The Cryptic Scholar, Winter/Spring 1991, pp. 22-39.

Leyland, Herbert T. Thomas Smith Webb: Freemason, Musician, Entrepreneur. Dayton, Ohio: The Otterbein Press, 1965.

Lobinger, Charles Sumner. The Ancient and Accepted Scottish Rite of Freemasonry. Louisville, Ky. : Standard Printing Co. , Inc. , 1932.

[Pike, Albert. ] Book of Infamy. 1883–1884. Archives, Supreme Council, 33°, S. J. , Washington, D. C.

————. Grand Constitutions of Freemasonry, Ancient and Accepted Rite. New Edition. N. p. : J. J.

Little & Co. , 1904.

Webb, Thomas Smith. Freemason’s Monitor or Illustrations of Masonry. 1797. Reprint. N. Y. : Masonic Historical Society of New York, 1896.

NOTES [i]. Thomas Smith Webb, Freemason’s Monitor or Illustrations of Masonry, First Edition, 1797, Reprint (New York: Masonic Historical Society of New York, 1896), p. 209.

[ii]. Albert Pike, Grand Constitutions of Freemasonry, Ancient and Accepted Rite, New Edition (N. p. : J. J. Little & Co. , 1904), pp. 269–71.

[iii]. Herbert T. Leyland, Thomas Smith Webb: Freemason, Musician, Entrepreneur (Dayton, Ohio: The Otterbein Press, 1965), p. 435.

[iv]. Phillip M. Katz, “Freemasonry Under the Cloak: A Masonic Text of the Old Regime,” The Cryptic Scholar, Winter/Spring 1991, pp. 22–23.

 

 

Publicado on março 24, 2011 at 7:08 pm  Comments (3)  

The URI to TrackBack this entry is: http://bibliot3ca.wordpress.com/reaa-por-que-trinta-e-tres/trackback/

Feed RSS para comentários sobre este post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Tudo o que se acrescenta, nos faz continuar, sempre, a procura da verdade.
    É imprescindível que tenhamos DISCERNIMENTO, para acrescentarmos elementos para nossa EVOLUÇÃO de conhecimentos.
    Jose Luiz Cavilha

  2. Excelente texto!

  3. Excelentes as matérias expostas, constituindo-se numa excelente fonte de pesquisas de cultura maçônica, num tempo em que são raras as fontes fidedignas em que se possa sorver de tais conhecimentos.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.104 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: