A Palavra Perdida Redescoberta

Ir.´. Gary D. Colby
Loja Union Station, Washington, DC

Tradução José Antonio de Souza Filardo

(Cada irmão recebeu um envelope com os dizeres “Não abra o envelope até que seja solicitado”.)

Senhores:

Tenho um anúncio emocionante. Encontrei a palavra perdida de um Mestre Maçom! Ela está no envelope diante de você – mas não o abra ainda!

Armados com a palavra perdida, nossos irmãos, no passado, eram reconhecidos, honrados, e bem recebidos em todo o mundo.

Eles eram líderes em e de suas comunidades. Eram policiais, empresários, médicos, operários, advogados e estadistas. Cada cidadezinha tinha uma Loja Maçônica no seu centro, e cada capital tinha suas Lojas fortemente unidas.

Os maçons alimentavam os famintos, vestiam os nus, alojavam, educavam, e protegiam os órfãos. Nossos irmãos históricos eram a nata de suas comunidades.

Eles sabiam quem eram, e todo mundo sabia quem eles eram. Tudo por causa de uma única palavra!

Em algum lugar ao longo da linha, a palavra foi perdida. Os maçons esqueceram sua palavra. Eles não a passaram adiante. Os novos nunca a aprenderam. No espaço de poucos anos, ao que parece, ninguém mais sabia a palavra.

Hoje, muitos maçons parecem não perceber que  tal palavra sempre existiu. Mas existiu – e existe!

A palavra era uma parte do alicerce sobre o qual a Maçonaria foi construída. É uma parte da organização – guardada  em um cofre subterrâneo.

Embora a palavra possa ter desaparecido da mente dos maçons, ela se encontra ali até que gerações futuras a descubram.

Eu não alego uma genialidade ou astúcia especial por tê-la descoberto. Em vez disso, sinto-me um pouco como o Huno que descobriu a Grande Muralha da China, na revista em quadrinhos de Gary Larson, “Far Side”, (um cavalo e o cavaleiro pregados contra a muralha, e um homem pensando “diabos, de onde veio ISSO?”)

A hora chegou, senhores, de cada um de vocês agora redescobrir a palavra perdida. Abram seus envelopes, por favor.

“RELEVÂNCIA”, meus irmãos, é a palavra perdida do Mestre Maçom.

Há muito tempo atrás, nossa Fraternidade era relevante. Fazíamos um bom trabalho, e os homens se atropelavam para se juntar a nós.

Nós ajudávamos os pobres. Nós ajudávamos os desesperados. Nós o fazíamos, juntos, e fazíamos bem!

Nós éramos uma Irmandade, e não uma burocracia.

Hoje, infelizmente, o inverso está mais perto da verdade. Temos linhas de Oficiais da Grande Loja, linhas de Oficiais de loja, linhas disso, comissões daquilo, conselhos de alguma outra coisa, mas onde nos conduzem essas linhas? Será que elas nos conduzem a algum lugar? Será que elas realmente nos conduzem?

Tudo se resume a três pequenas palavras, e uma um pouco maior: COMO NÓS SOMOS RELEVANTES?

Hoje, podemos reunir 25 homens para presentear uma comenda de 50 anos de maçonaria. Que diabos! 25 homens vão procurar UM Irmão para lhe dar uma comenda de 50 anos!

Enquanto isso, o Joãozinho na escola do fim da rua NÃO SABE LER, o seu parque de diversões está caindo aos pedaços em torno dele, e ele tem medo de ir para casa porque os ratos saem de suas paredes durante a noite!

É verdade, no seu estado atual, nossa Fraternidade não pode corrigir todas estas coisas, nem sequer a maioria delas, mas o QUE ESTAMOS FAZENDO?

Estamos preocupados com o buraco na tela da porta da viúva Harrison, e no próximo mês estamos dando uma bolsa $ 100 para o filho de algum maçom que vai entrar na faculdade, independente se ele ganha ou não ganha o dinheiro.

Ah, e então, naturalmente, vamos nos dar uma palmadinha nas costas e aplaudimos alguns mais que outros.

Agora, não me interpretem mal; nada há de errado em ajudar Maçons com mais freqüência que não-maçons. No entanto, se vamos nos perguntar por que os membros de nossas comunidades não estão mais nos procurando, temos de tentar nos ver da forma como eles nos vêem.

O que os Maçons fazem que seja relevante para as pessoas em suas comunidades?

Ok – vamos ajudar a comprar UTIs de câncer, ou talvez fazer uma campanha de coleta de sangue de vez em quando, e, algumas vezes, convidamos os escoteiros para uma reunião, mas hei! Quem não faz isso?

O que diferencia a Maçonaria de outras organizações? Por que nós esperamos que os homens se juntem a nós em vez do Lion’s Club, o Rotary Club e outros clubes de serviço?

No momento, a nossa melhor resposta parece ser: Segredos! Grandes Segredos! Grandes segredos Importantes!

Francamente, acho que temos vivido das glórias de nossos irmãos no passado por um longo tempo. Acho que os homens se juntam a nós hoje, porque eles querem participar de um clube social, e eles  ouviram falar do passado glorioso da maçonaria.

Acho que se candidatos potenciais soubessem da confusão em que se encontra a Fraternidade neste momento, estaríamos em maiores apuros do que estamos agora…

A investigação realizada pela Força Tarefa de Renovação Maçônica que foi convocada, e em seguida ignorada pela Conferência dos Grãos-Mestres nos EUA indica o que os homens querem:

-eles querem oportunidades sociais – tanto para si quanto para suas famílias.

-eles querem oportunidades para servir suas comunidades – eles querem meter a mão na massa, não apenas emitir cheques.

-Eles querem aprender a se tornar melhores líderes, e eles querem, com o tempo, tentar assumir uma liderança.

ISTO É RELEVÂNCIA! ISTO É O QUE OS HOMENS QUEREM!

E porque não estamos oferecendo essas coisas agora, poucos homens estão aderindo – e eles não vão ingressar até nós lhes ofereçamos isso!

Hoje, os homens não querem que percamos seu tempo lendo atas e apresentando convidados. Nossas pesquisas mostram que não querem ritual, eles não querem receber pregações, eles não querem “refletir sobre as lembranças felizes produzidas por uma vida bem vivida  e morrer na esperança de uma imortalidade gloriosa”.  ELES QUEREM VIVER! Aqui! Hoje! Agora!

Eles vêm até nós porque querem que lhes proporcionemos a oportunidade de se reunir, servir e liderar – e, se a nossa Fraternidade quer sobreviver, vamos ter que lhes fornecer essas oportunidades.

É ESTE O NOSSO DESAFIO!

ISTO É SER RELEVANTE!

- e ISSO é o que nos vai levar para o século XXI e além.

Publicado on abril 9, 2011 at 8:55 am  Comments (9)  

The URI to TrackBack this entry is: http://bibliot3ca.wordpress.com/a-palavra-perdida-redescoberta/trackback/

Feed RSS para comentários sobre este post.

9 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Uzé

  2. meu coraçao arde de vontade
    de me unir a grande ordem
    mais nao me dao ouvidos
    ainda sim prosigo tentando!

  3. belíssimo trabalho. Como poderei obter esses apontamentos expressamente, para minha bibliotéca? Posso mentê-la no virtual?
    me informem, por gentileza e na moda da fraternidade plena e responsável.

  4. muito otimo mesmo estes comenterios,que tornem-se de grandes importancia a todos os macons afora,que se possivel seja introduzidas nas grandes lojas do brasil.

  5. Que a palavra perdida seja retomada e não mais esquecida, que as belas palavras possam no conduzir nesta terra e que possamos incorporar estas belas palavras.
    Nhe’ e Porã.
    Porã eté,
    Nhanderu topená,
    Ubirajara

    • É o que se espera…

  6. Irmãos pelo mundo, devemos sim manter e atuar com nossos rituais. ELES nos ensinam, pela repetição a moldarmos nossas atitudes. São referenciais sim para essa nova moldura que buscamos sempre. Mas são apenas referenciais. As demais atitudes são nossas, vindas desse aprendizado, mas indispensáveis na vida de todos nós. Portanto basta que TODOS em cada uma das milhares de Lojas mundo a fora, acordem – saiam desse anonimato vencido – vamos à Sociedade. E não esperemos que á Sociedade venha a nós. Mantenhamos nossa discrição, mas sejamos ativos homens de bem na sociedade e pela sociedade. Relevante é sermos co-autores ativos de um mundo melhor. Relevância é sabermos atuar, como atuar. Saiamos essa letargia burocrática criada por muitas vaidades. Basta Ser MESTRE.

  7. QUE BOM! AINDA EXISTE MAÇONS COM ESSA POSTURA E QUE ESTEJAM DISPOSTOS A NOS DA ESSE PUXÂO DE ORELHA, PRECISAMOS DISSO PARA MANTERMOS O FOCO NO QUE RELEVANTE .

  8. Interessantíssimo! Este comentário deveria ir direto para o Grão-Mestre Geral e todos os Grão-Mestres Estaduais e quiçá para todos os maçons espalhados pela superfície da Terra, não apenas para reflexão mas, para tomada de decisão, a busca de um norte e ações que reconduzam a Ordem ao lugar que lhe compete na historia da humanidade.
    É tempo de arregaçar as mangas e trabalhar em prol da Maçonaria e ao estímulo e preparação dos maçons e não se recolher aos gabinetes e se perder em disputas políticas, cujo pano de fundo é meramente a vaidade e a disputa pelo poder.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.105 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: